Política e cuidados para as pessoas; Leia opinião do professor Leonardo Boff – Portal O Farol

Política e cuidados para as pessoas; Leia opinião do professor Leonardo Boff

E nas eleiboffções municipais passaram em um contexto político dramático, com um governo federal com baixa credibilidade e legitimidade questionável.

Grande parte do objetivo político para alcançar o poder por interesses e, uma vez no poder, promover a re-eleição. Muitos deles não vivem para a política, mas política. a natureza da política é tão deformada como o bem comum. E o que é pior, o interesse político encontra-se para além do bem e do mal. Só que faz o bem, quando possível e o mal sempre que necessário.
Mas é importante relatar que este é o exercício perverso de poder político. Max Weber em seu famoso texto de 1919 estudantes da Universidade de Munique, desanimado com as condições humilhantes impostas pelos poderes que derrotaram a Alemanha na Primeira Guerra Mundial, Política como vocação, já havia advertido: “Quem faz política procura o poder. Poder como um meio para outros fins ou o próprio poder, para desfrutar do prestígio que confere poder “. O último modo do poder político tem sido historicamente exercido por muitas das nossas elites para se beneficiar dele, esquecendo o assunto e destinatário de todo o poder, que é o povo.

Precisamos resgatar o poder político e legal, como expressão da soberania popular e um meio a serviço de objetivos sociais coletivas. Somente isso é moral e ético. É imperativo, portanto, têm os políticos que não fazem o poder como um fim em si mesmo e em seu benefício, ligados a processos de corrupção, tanto tempo divulgado, mas uma mediação necessária para o bem comum, de baixo, dos excluídos e marginalizados. O paleocristianismo chamado esta liturgia, o que significava serviço ao povo.

Neste contexto, queremos recuperar a figura política sem paralelo nos tempos modernos que é Mahatma Gandhi. Para ele, a política “é um gesto de amor ao povo”, que se traduz como “cuidado com o bem-estar de todos a partir do pobre.” Eu mesmo confessa: “Eu entrou na política por causa das vidas dos fracos; Eu vivia com os pobres, desterrados recebeu como convidados, eu lutei por eles tinham direitos iguais aos nossos, desafiou reis não sei quantas vezes eu estava na prisão. ” O mesmo poderia ser dito de outra figura exemplar, Nelson Mandela, depois de dezenas de anos de prisão superou o apartheid na África do Sul.
Nestes tempos de desespero político, porque de tanto ódio se espalha na sociedade, e assim não apenas denunciá-la como um golpe parley-judiciário contra um consagrado por um presidente eleição majoritária, precisamos fortalecer os governadores proposto cuidados as pessoas e fazer o cuidado é a linha de conduta da vida social no município, no estado e na federação.

Na verdade, o Brasil precisa urgentemente de um cuida dos pobres e marginalizados. Lula e Dilma propôs cuidado e intencionalmente não gerenciar as pessoas, por meio de políticas sociais resgatar sua vida e dignidade. Atualmente dominado por uma política que parece menos do que as pessoas e mais rigorosos ajustes na economia, estabilização monetária é a inflação, federal e da dívida pública do Estado, a privatização de bens públicos e nosso alinhamento com o projeto I -World. Tudo isso é feito sem ouvir as pessoas e até mesmo contra os direitos sociais duramente conquistados a penalidades.
Não diga que tal diligência de cuidar do povo. maternal cuidado meticuloso e até existe, sim, para as elites dominantes, para os bancos e para o sistema financeiro nacional e internacional que tem lucros exorbitantes.

Em vez de cuidado, política não é a administração de demandas populares, reuniram-se para tratamento paliativo, mais para acalmar a agitação e sufocar a feira revolta para atacar as causas de seu sofrimento.
Cuidados para as pessoas exigem saber suas entranhas para experimentar, sentir as suas chamadas, simpatizar com sua miséria, cheia de irascibilidade sagrado e ouvir, ouvir e ouvir novamente. Deve haver um ministério da escuta, como existe em Cuba. Neste Ministério devem ser os discípulos de Paulo Freire e não os seguidores de Pavlov e Skinner, professores de uma visão mecanicista da vida humana.

Ouça a saga do povo, os seus sofrimentos e as suas esperanças, as soluções encontradas, Brasil sonhos. Ele quer muito pouco: trabalho e seu trabalho pago dignidade, comer, viver, criar os filhos, tem segurança, saúde, transporte, cultura e tempo livre para acompanhar seus times favoritos e fazer suas festas e música. Mas o que mais quero é a dignidade e reconhecimento como pessoa e ser respeitado.

As pessoas merecem esse cuidado, essa relação amorosa que assusta insegurança, proporciona confiança e faz o maior sentido da política.

Leonardo Boff é filósofo, ex-professor de ética da UERJ.

Categorias: Cidades,Colunistas,Destaque,Leonardo Boff